Editora Pulo do Gato

Clique no botăo abaixo para baixar nosso catálogo!


catálogo em pdf


Facebook Instagram YouTube
VISÕES DA DIFERENÇA
"Olhe para mim", entre os livros que podem gerar boas conversas sobre o preconceito étnico.

Publicado em: O Globo, Blog da Graça Ramos - Julho de 2015

http://oglobo.globo.com/blogs/graca-ramos/posts/2015/07/14/visoes-da-diferenca-569361.asp

O blog recebeu uma série de títulos que abordam o tema do preconceito étnico. Assim como ocorre no mundo real, as obras ficcionais lidam de variadas maneiras com o assunto. Há narrativas que apelam ao poético e outras que exibem caráter mais educativo. Em todas está embutido o desejo de transmitir às crianças que a variabilidade faz parte da vida. Por vivermos época em que parte da sociedade radicaliza a negação ao outro e estimula a agressão ao diferente, a leitura desses livros temáticos pode ser uma aliada na hora de conversar com meninas e meninas sobre diversidade. 

Das obras avaliadas, a mais elaborada intitula-se “Olhe para mim” (Pulo do Gato), de Ed Franck e Kris Nauwelaerts, com tradução de Cristiano Zwiesele do Amaral. Eles produziram narrativa de caráter memorialístico. O protagonista Kitoko sonha com suas origens no continente africano enquanto visita o museu em que a mãe trabalha. As lembranças são acionadas quando vê um quadro de Gustave Vanaise, intitulado “O negro e eu” (1886), no qual aparecem uma menina branca vestida de azul e um menino negro, com vestes douradas.

As ilustrações são inspiradas em obras de ícones da arte ocidental e revisitam diferentes formas de expressão. Para aqueles que têm pequeno repertório em história da arte, o que contará é a imagem criada pelo ilustrador, e quase todas traduzem o apresentado no verbal de maneira próxima do literal. Leitores que navegam com mais facilidade na tradição artística poderão desenvolver imensa curiosidade sobre qual artista e quais de suas pinturas definiram o rumo da ilustração. No final, as correlações entre as imagens do passado e as novas são dadas para o leitor em necessário paratexto.

Gravidez – Vamos à trama: o garoto adotado sente-se inseguro com a chegada da futura irmã, pois a mãe está grávida. Sonhando, ele recupera memórias da infância passada ao lado da irmã biológica, Ayosha. Quando o verbal fala da guerra, que destroçou a aldeia deles, a imagem evoca "Guernica", de Pablo Picasso. Eles caminham por muito tempo, enfrentando a fome, até que um homem arrasta a menina para longe dele. Interno em orfanato, Kitoko foge e deseja viver em lugar mais acolhedor – é quando cena idílica, típica dos traços de Marc Chagall, ocupa a página. Feito miragem, ou à semelhança de cenas registradas por Salvador Dali, Ayosha regressa para ajudá-lo. Reencontram-se em meio à paisagem inspirada em Paul Gauguin. Mas ela se apresenta diferente, pois não possui “a pela escura/ e não tem os lábios grossos”. 

Além da riqueza de vozes presentes na narrativa condensadas pelo narrador e da coesão obtida no uso de imagens tão díspares, Franck e Nauwelaerts, ao colocarem a visão de um garoto negro com receio de ganhar irmã branca, invertem leitura tradicional do tema do preconceito. E o fazem falando diretamente sobre a questão em apenas um momento, envolto por atmosfera poética. O sussurro da mãe biológica, também evocada no sonho, provoca Kikoto e, por extensão, o leitor ao indagar: “você quer uma nova irmã do jeito que ela é ou está à procura apenas de uma pele negra como a sua?”. 


editora pulo do gato direitos reservados | rua general jardim 482, conj. 22 cep 01223-010 são paulo sp | T+ 55 11 3214-0228 | pulodogato@editorapulodogato.com.br